Será que ele é iluminado?

Será que ele é iluminado?

Um dia destes, uma pessoa me perguntou sobre o nosso mestre: “Será que ele é iluminado?”. A pergunta é bastante subjetiva, e revela a maneira em que muita gente olha para os mestres. Não há um teste que possa ser aplicado para determinar se alguém é iluminado ou não. De qualquer maneira, antes de responder à pergunta, teríamos que ver o que significa ser “iluminado” para a pessoa que coloca a questão. Iluminação = poderes paranormais? Na cultura do Yoga estamos expostos a textos que falam de maneiras muito diversas sobre a iluminação. Alguns desses livros se atêm à descrição do que aconteceria como o mukti, aquele que alcançou a libertação, em termos de transformação interior, plenitude constante e outras conquistas associadas com moksha. Todavia, são descritos em detalhes os diferentes graus de samadhi e o estado nirvikalpa, quando acontece a cessação voluntária da atividade cerebral, por si mesmo uma façanha digna de menção. Outros textos já se dão outras liberdades poéticas e falam abertamente sobre pessoas que levitam, conversam com espíritos, ou lêem o pensamento dos demais. Há ainda outra categoria de textos que narram prodígios como yogis viajando para outras dimensões, materializando objetos e realizando outros prodígios, que são verdadeiras viagens de LSD ou, no melhor dos casos, pura fantasia. Agora, é preciso separar o que seja uma licença poética do que é a realidade. Lendo, por exemplo, a biografia do yogi tibetano Milarepa, vemos que a pessoa que escreveu esse texto fala sobre os siddhis, poderes paranormais, com muita naturalidade. Se a intenção de incluir uma descrição desses poderes é chamar a atenção do leitor para...
Yoga e performance

Yoga e performance

Este artigo foi inspirado em algo que ouvi de um outro praticante de Yoga, que me criticou, ao comparar os riscos de lesão que posso ter na prática do triathlon, para poder justificar as lesões que aquele praticante tinha na sua rotina de āsanas. Muitos praticantes e professores confundem Esporte com Yoga. Enquanto um, tem como objetivo o bem estar, saúde e performance. O outro, tem como resultado o bem estar geral, mas, acima de tudo, o seu objetivo não é dor e tampouco performance; e sim, o autoconhecimento. No meu ponto de vista, embora não seja o objetivo trazer um aumento na performance para um indivíduo em relação às suas tarefas e trabalhos, podemos nos beneficiar bastante de algumas técnicas específicas, contidas neste grande corpo de conhecimento que é o Yoga. Neste caso, deixando a maior parte de seu conteúdo de reflexão, e também espiritual, focamos em uma parte bastante especifica, que é: o que posso tirar de proveito de tudo aquilo que se refere à parte física do Yoga para ajudar nas coisas que preciso fazer no dia a dia? Pense na sua profissão, ou no seu hobby. Como o Yoga se encaixa com tudo isto? Relembrando, que estamos apenas falando sobre algumas técnicas especificas.   Um atleta, normalmente, já sobrecarrega demais o próprio corpo com exaustivos treinos. Portanto, a prática de Yoga deve ser proposta, não para exigir ainda mais. Por outro lado, deve e pode ajudar na recuperação. Vou citar aqui, apenas três técnicas, que já são bastante evidentes pra qualquer praticante de Yoga e que também podem ser aplicadas à atletas, mesmo que estes,...